Passo a passo para montar uma estrutura de delivery para restaurantes

Publicado em 29/05/2020 por Lucca Rossi

delivery para restaurantes

Do preparo do prato à mesa do cliente o caminho ficou mais longo. E isso não é porque o salão do restaurante aumentou, mas porque o movimento de comida em domicílio tem conquistado mais espaço na rotina do consumidor.

Esta tendência, inclusive, consolida-se em cifras. Afinal, o setor de entregas já vem movimentando pelo menos R$ 11 bilhões por ano, segundo dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). 

Do dia para noite, muitos restaurantes se viram obrigados a baixar as portas por causa do surto de Covid-19, e o delivery se tornou uma importante –senão a principal– fonte de receita. 

Pensando nisso, o Capterra criou um guia especial para auxiliar na criação de um delivery para restaurantes. Confira as dicas abaixo!

1. Mantenha uma comunicação ativa com os clientes

Imagine um consumidor que é muito fã da sua pizzaria. O quão frustrado ele ficaria ao tentar pedir uma margherita por delivery em uma segunda e, depois de ligar, descobrir que ao contrário do que está no Google você não entrega mais neste dia.

Não adianta seu restaurante explorar as vendas online, mas decepcionar o consumidor porque tem informações desencontradas. Portanto, seja útil e entregue o que ele busca –não somente em produto, mas também em serviço.

Em todos os canais que estiver presente, mantenha atualizados os dados do seu negócio. Isso conta muito no delivery para restaurantes. Certifique-se de ter em dia: 

  • Horários e dias de funcionamento.
  • Número de telefone para contato.
  • Métodos de funcionamento (se dispõe de refeição no local, delivery ou take away).
  • Formas de pagamento disponíveis.
  • Identificação do modelo de delivery.
  • Área de cobertura da entrega.

Os restaurantes devem ter um perfil no Google Meu Negócio, que é o primeiro contato de muitos clientes com o seu restaurante. Caso sua presença online seja recente e sua empresa ainda não apareça no Google, aposte com força nas redes sociais –este tópico será abordado em seguida.

atendimento delivery restaurantes
Exemplo de um perfil completo no Google Meu Negócio (Fonte)

Quando se trata de delivery para restaurantes, você também deve ser proativo para instruir o público sobre o consumo do pedido. O prato que você está entregando deve ser consumido imediatamente ou é necessário aquecer? Se pode ser aquecido, é possível fazê-lo na embalagem? Avise-o para que ele tenha a melhor experiência possível.

O restaurante Komah, por exemplo, optou por enviar juntamente com o pedido um guia explicativo que esclarece como comer certos pratos.

aplicativos de entrega experiencia cliente
Restaurantes também devem trabalhar a experiência do cliente no delivery  (Fonte)

Especialmente neste momento de crise sanitária, também é importante comunicar o cliente sobre as medidas de precaução na hora de receber o pedido. Entre elas, usar máscara e manter uma distância segura de outras pessoas.

Se há possibilidade de oferecer “entrega sem contato”, em que os entregadores deixam o pedido em um lugar pré-combinado, comunique o cliente dessa opção.

2. Sempre use as redes sociais a seu favor

As redes sociais servem de canal para promover ações promocionais, impulsionando o consumo e a fidelização do seu restaurante. Independentemente se sua operação é física ou online, uma coisa é fato: aposte nas mídias sociais se quiser ter visibilidade.

Plataformas como Facebook, Tik Tok e Instagram são muito visuais, portanto aproveite essa abordagem para publicar fotos e vídeos dos seus pratos. Faça com que os consumidores fiquem com vontade de consumi-los.

Se quiser tirar o máximo dessas ferramentas, utilize softwares de marketing de redes sociais para automatizar campanhas online e conhecer melhor seus seguidores. Você pode ter ideias para ações futuras com os insights gerados por relatórios dessas plataformas.

Outro truque que você deve investir é no uso de hashtags nos seus posts. Elas aumentam a visibilidade das suas publicações e maximizam a voz da sua marca.

A hamburgueria Now Burguer, por exemplo, coloca uma sequência de hashtags em todos seus posts. Além de palavras relacionadas à cidade (#saopaulo), a empresa coloca hashtags que estão ligadas à região que atua, como referência ao bairro Vila Mariana.

hashtag entrega de comida
Usar as hashtags corretas ajuda os restaurantes a atrair seu público-alvo  (Fonte)

Uma vez nas redes sociais, não descuide da imagem da sua marca. Sempre responda os comentários e avaliações –mesmo as negativas– para manter o engajamento com o cliente.

Os feedbacks deixados nas redes sociais costumam ser um excelente termômetro sobre o seu serviço ou produto. É importante estar atento às opiniões para saber o que pode melhorar.

3. Delivery para restaurantes: adapte o cardápio

É importante saber que nem tudo que está no cardápio do seu restaurante deve ir para delivery. E por quê? Muitos pratos não funcionam na modalidade de entrega, porque chegam na casa do cliente murchos, frios ou desmontados, prejudicando a qualidade do produto.

Considere criar pratos que suportem o tempo de transporte até o endereço do cliente –ou que pelo menos sejam enviados pré-prontos para ele finalizar.

Ao definir um cardápio para venda online, leve em conta esses pontos: 

  • Pesquise o que seus concorrentes estão vendendo.
  • Pense em produtos que destaquem o seu restaurante.
  • Liste quais são os seus pratos mais vendidos.
  • Verifique quais desses pratos poderiam aguentar o transporte.
  • Analise qual sua capacidade de produção para não comprometer o envio.

Uma outra maneira de ter insights para o seu cardápio é utilizar as informações fornecidas pelo seu sistema para restaurante. Cheque as matérias-primas disponíveis e crie receitas com base nos alimentos que possui.

Aliás, se ainda não automatizou o seu inventário, faça isso o quanto antes. Ao realizar controle do estoque de forma regular, você tem visibilidade da entrada e saída de produtos e do vencimento dos alimentos. Além disso, sabe o momento certo de fazer novas compras e não desperdiça produtos.

Confira opções de sistemas de controle de estoque

Já para definir o preço dos pratos, você pode usar o seu programa para custo de alimentos para ajudar a encontrar um valor justo, administrar o custo do menu e maximizar sua margem de lucro.

É sabido que muitos consumidores serão afetados economicamente pela crise sanitária, por isso também vale a pena adaptar o cardápio pensando no bolso do cliente.

No caso do restaurante Charco, a solução foi lançar um cardápio para o período de quarentena com redução dos valores dos pratos em relação ao restaurante físico para incentivar o consumo.

cardapio delivery restaurantes
Aproveitar o delivery para fazer promoções é uma ótima abordagem (Fonte)

Tenha sempre em mente que manter um cardápio longo exige um estoque grande. Se você não quer assumir esse gasto, então mantenha o menu enxuto.

4. Busque parcerias comerciais

Bons fornecedores são imprescindíveis para os restaurantes oferecerem boa comida –e bons serviços, claro. Na hora de escolher os seus parceiros comerciais, leve em conta os seguintes pontos: 

  • Pesquise a reputação da empresa.
  • Peça certificados de procedência e de órgãos de vigilância sanitária.
  • Analise a capacidade de entrega de produtos para atender a sua demanda.
  • Busque preço justo com garantia de qualidade.
  • Teste os possíveis fornecedores para ver se mantêm um mesmo padrão de serviço e atendimento.

No segmento de restaurante, é importante ter mais de um fornecedor, com foco no que cada um pode oferecer de melhor.

Isso vale também para um mesmo tipo de matéria-prima. Tenha sempre um plano B para fornecedores. Se eventualmente falte algum produto vendido pelo seu fornecedor principal, o serviço não pode ser interrompido por causa disso.

No delivery para restaurantes, há grande preocupação com a embalagem, o que exige que você tenha bons fornecedores também para garantir um envio de sucesso. A embalagem não só vai proteger e manter a qualidade do produto, como também vai garantir a experiência do cliente.

O bar Astor, por exemplo, vende coquetel por delivery, portanto a embalagem é fundamental para que o produto chegue intacto e possa ser degustado pelo cliente. Além da garrafa de plástico, eles  usam sacos a vácuo para proteger os ingredientes.

embalagem delivery para restaurante
Para um bar, por exemplo, pensar na embalagem é fundamental para o delivery (Fonte)

Atualmente, em decorrência do fechamento temporário de restaurantes, a preocupação de muitos estabelecimentos também gira em torno de conseguir honrar compromissos com seus fornecedores.

A orientação da Abrasel é a negociação de prazo maiores de pagamento com parceiros comerciais e prestadores de serviços.

Neste momento, uma boa maneira de se organizar financeiramente é contatar os fornecedores por ordem de vencimento e, se for o caso, solicitar um desconto, melhores condições de pagamento, renegociação da dívida ou ampliação do prazo de pagamento.

Segundo a entidade, os fornecedores também estão interessados no funcionamento dos estabelecimentos –tanto hoje quanto a longo prazo. Portanto, tente negociar!

5. Pagamentos para delivery: escolha as melhores opções

Oferecer várias modalidades de pagamento disponíveis no mercado faz seu restaurante ampliar a clientela. Há diversos novos métodos por aí, fique de olho neles para poder agregar tecnologias inovadoras na sua operação.

Embora o ideal seja fornecer a maior quantidade de opções disponíveis, altos custos de transação fazem que isso seja inviável. Portanto, investigue quais são os métodos que seus clientes mais utilizam e quais têm melhor aderência à sua empresa.

Se você identificar que há pouca busca por um método, elimine-o. Por outro lado, se perceber que há um movimento pedindo um tipo específico de pagamento, considere adicioná-lo.

Abaixo, confira uma lista dos principais métodos de pagamentos usados atualmente no delivery para restaurantes:

Cartão de crédito e débito

O pagamento por cartão de crédito e débito pode ser feito de duas maneiras: por meio de uma plataforma de pagamento (gateway) no seu site ou então por maquininhas.

Se for contratar máquinas portáteis para seus clientes pagarem na entrega, analise contratar as que oferecem funcionalidades adaptadas ao celular, como pagamento por aproximação (contactless) e código QR –assim o consumidor pode usar uma carteira digital para concluir a transação.

Também considere adquirir uma maquininha que esteja habilitada para transações por meio de vale-refeição. Muitos clientes fazem pedidos quando estão no escritório e preferem pagar usando esse benefício.

Algumas das principais bandeiras de vale-refeição do mercado são: Sodexo, VR, Alelo e Ticket. Vale lembrar que para habilitar o serviço são cobradas taxas de transação e outras tarifas de manutenção, portanto pesquise se é viável para o seu negócio.

Carteira digital

As carteiras digitais permitem transferências online intermediadas por um serviço de pagamento eletrônico. 

Neste modelo não é necessário adquirir uma maquininha, pois a transação é intermediada por um celular ou tablet. PayPal, PagSeguro, Bepay, Mercado Pago e Pic Pay são algumas das empresas que oferecem esse serviço no mercado brasileiro.

A vantagem é que as taxas costumam ser menores do que aquelas cobradas pelas operadoras das maquininhas. Com isso, muitas dessas empresas de carteira digital conseguem oferecer benefícios aos clientes (desconto ou cashback) como estratégia de fidelização.

Pagamento via aplicativos de entregas

Os aplicativos de entrega oferecem planos que incluem receber o pagamento e repassar ao restaurante –confira a lista das principais empresas do setor logo abaixo.

Quando você contrata os aplicativos para esta modalidade, no geral se acresce como taxa uma porcentagem em cima do valor do produto. Além disso, o repasse não é imediato: há um prazo para que ele ocorra.

Pagamento com dinheiro

O pagamento em dinheiro ainda é um dos métodos mais democráticos de pagamento, considerando que um em cada três brasileiros não possui conta bancária –por isso é importante continuar a oferecer essa modalidade mesmo com o surgimento de novas maneiras de pagar.

Ao selecionar a opção do pagamento em dinheiro, oriente seus clientes a comunicar se precisam de troco, o que facilita para não haver desencontros quando o entregador for levar o pedido.

Desde março, quando houve o boom das entregas, uma orientação é que os restaurantes deem preferência aos métodos de pagamento online para que entregadores e clientes não precisem estar em contato.

6. Planeje muito bem as entregas

Se você pudesse perguntar a diferentes chefs como criar uma operação de delivery para restaurantes, a resposta seria unânime: estudar como funciona o sistema de entregas, já que essa é uma etapa importantíssima da operação.

Uma coisa é finalizar um prato e levá-lo para uma mesa; outra coisa é montar um prato e despachá-lo para quilômetros de distância da sua cozinha.

A seguir, explicamos as duas principais maneiras de lidar com as entregas do seu restaurante.

Aplicativos de delivery de comida

De uns anos para cá, os ícones de plataformas de entrega passaram a ser presença certa nos celulares de gente do mundo inteiro. Receber comida em casa se tornou rotina para muita gente.

A maneira mais fácil de entender como funciona esses aplicativos é pensar no conceito de marketplace: uma plataforma que oferece diversas marcas para que o cliente segmente sua busca segundo diferentes critérios.

Para o restaurante entregar por um desses aplicativos, é necessário escolher um plano e depois criar o cardápio online.

O ponto positivo dessas ferramentas é que elas se encarregam do marketing, do fluxo de usuários, do pagamento e das entregas, dependendo do plano escolhido. Já o maior problema é que cobram tarifas pelas entregas que podem ser altas para o seu negócio.

Confira as principais plataformas disponíveis no mercado:

Ifood

O Ifood oferece dois planos aos clientes, sendo que apenas um deles inclui a opção de entregas. Pelo serviço, a plataforma cobra uma taxa que varia de 12% a 27% sobre o produto vendido. Também há cobrança de mensalidade ao atingir um valor de vendas –se o restaurante ficar abaixo, não precisa pagar.

Uber Eats

A plataforma da Uber dispõe de um único plano no qual se encarrega da gestão da entrega por meio de motoristas autônomos cadastrados na plataforma. A empresa cobra uma taxa inicial de ativação, que cobre serviços como sessão de fotos profissionais. A taxa cobrada dos restaurantes pode alcançar 30%.

Rappi

A Rappi também conta com dois planos disponíveis para restaurantes. Em um deles o restaurante usa frota própria, enquanto no outro a plataforma se responsabiliza pelo delivery. A taxa comissão por venda pode chegar a 16% e também é cobrada uma taxa de ativação única ao iniciar o serviço.

Loggi

Com uma dinâmica diferente dos concorrentes, a Loggi oferece um serviço de entrega para restaurantes chamado LoggiPresto, que opera sob demanda. Dessa forma, você só paga pelas entregas contratadas, com base em uma tabela de frete.  

Na hora de contratar uma dessas ferramentas, verifique a viabilidade para o seu negócio ao analisar:

  • Taxas cobradas
  • Cobertura de entrega
  • Serviços fornecidos além do delivery

Muito desses aplicativos têm oferecido condições especiais para apoiar pequenos e médios restaurantes durante o período de crise sanitária. Aproveite para checar qual oferece as melhores condições para o seu negócio, mas fique atento com o valor das cobranças no futuro.

Estrutura própria de delivery

É possível criar sua própria estrutura de delivery ao contratar entregadores para fazer parte da equipe, motoboys em sistema de freelancer para atender conforme a demanda ou então uma empresa terceirizada.

Para organizar direito o seu setor de entregas, o ideal é que você use um sistema de delivery que organize a operação em tarefas como atendimento ao cliente, preparação do pedido, otimização de rotas e agrupamento de pedidos.

Conheça a seguir alguns dos softwares que cumprem essa função. Para selecioná-los, foi levado em conta se oferecem outros serviços além da gestão de entregas, opção de rastreamento e integração com aplicativos de delivery.

1. Saipos

saipos-entrega
Tela da área de delivery do sistema para gestão de restaurantes Saipos (Fonte)

Este software permite administrar as entregas desde o recebimento ao fechamento do pedido –também integra na plataforma pedidos recebidos por WhatsApp. Há outras funcionalidades de gestão, como controle de estoque.

Preço: sob consulta.

Versão mobile:  não possui.

Saiba mais

2. Meu Delivery

tela meu delivery
Além da opção de gerenciar entregas, programa oferece integração com iFood (Fonte)

Oferece serviços de controle de entregas, como organização de rotas e emissão de pedidos na sequência escolhida. Um diferencial é a organização dos pedidos online com base em Kanban.

Preço: R$ 99,00 por mês.

Versão mobile: não possui.

Saiba mais

 3. Sischef

tela do sischef
Tela do Sischef, sistema de gestão para restaurantes com módulo delivery (Fonte)

Possui um módulo exclusivo para delivery que inclui integração com Google Maps, identificador de chamadas, conferência de entregas, etc. Oferece também módulos extras como controle de caixa e de estoque.

Preço: sob consulta.

Versão mobile: disponível para Android.

Saiba mais

 4. eComanda

tela do ecomanda
Software oferece três planos com opções de delivery para diferentes negócios (Fonte)

Assim como os outros citados, trata-se de um sistema de restaurante bastante robusto. Possui funcionalidade como comanda eletrônica a cardápio digital, além do serviço de entregas.

Nesta modalidade de delivery para restaurantes, o seu estabelecimento terá controle total do processo.

Preço: R$ 139,00 por mês.

Versão mobile: não possui.

Saiba mais

Busca softwares para entrega de comida? Confira o nosso catálogo!

Metodologia:

Para serem integrados nesta lista, os softwares deveriam:

  • Oferecer opções de gestão completa, além da funcionalidade de delivery
  • Ter a opção de acompanhamento de pedido
  • Ter pelo menos uma integração com outros apps de delivery/logística/entrega

Esse artigo pode se referir a produtos, programas ou serviços ainda não disponíveis em seu país, ou pode ter restrições legais ou regulatórias. Sugerimos que você consulte o provedor de software diretamente para informações sobre disponibilidade do produto ou conformidade com as leis locais.