53% das PMEs afirmam poder sobreviver apenas seis meses com crise da COVID-19

Publicado em 01/07/2020 por Lucca Rossi

pequenas empresas na crise

A crise do coronavírus atingiu em cheio as pequenas e médias empresas brasileiras e desenha um cenário preocupante para um conjunto que, em números absolutos, representa quase a totalidade dos negócios do país

Os dados são contundentes: mais da metade das PMEs acredita que seu negócio não resistirá mais do que seis meses caso persista a situação atual provocada pela pandemia (veja o gráfico abaixo).

É o que aponta a segunda parte de um estudo realizado pelo Capterra sobre como as PMEs, principalmente aquelas que adotaram o trabalho remoto ou adaptaram seus serviços ou produtos para seguir com suas operações, estão lidando com a chamada nova normalidade. 

Para o estudo, o Capterra ouviu 337 trabalhadores com cargos de gerência e poder de decisão em empresas com até 250 funcionários e de diversos setores de todo o país (veja a metodologia completa do estudo no final do texto). 

pequenas empresas na crise quanto tempo pmes resistem

 

É importante notar que, ainda que a diferença não seja tão significativa, o tamanho da empresa influencia na percepção dos gerentes em relação à saúde da empresa. 

Entre as empresas com menos funcionários (2 a 10), sobe para 59% o número de entrevistados que acreditam que seu negócio fechará as portas antes de seis meses, enquanto os negócios com 11 a 50 e 51 a 250 trabalhadores se aproximam da média global:

pequenas empresas na crise pmes 6 meses por tamanho

Pequenas empresas na crise: aposta por estratégia digital ainda gera dúvidas

Um cenário tão complicado exige agilidade das empresas. A boa notícia é que a maioria delas está mudando sua forma de operar para se adaptar à nova realidade pós-pandemia.

Segundo o estudo do Capterra, 72% dos negócios passaram a oferecer produtos, serviços ou eventos online por causa da COVID-19 e 43% afirmam ter modificado ou adaptado suas ofertas.

mudança modelo negócio

Em relação à organização interna, as PMEs também não ficaram paradas: 63% dos entrevistados disseram que suas empresas realocaram (ou pretendem fazê-lo) temporariamente funcionários em posições diferentes como resposta à COVID-19.

O dado mostra a boa capacidade dos empresários de darem respostas rápidas tanto a clientes como a trabalhadores em meio a uma situação sem precedentes e para a qual grande parte não estava preparada, como apontou o Capterra recentemente.  

pequenas empresas na crise recolocação funcionários

Ainda que tenham reagido com agilidade ao novo cenário, as PMEs parecem estar desperdiçando a oportunidade de aproveitar a crise como uma maneira de promover mudanças estruturais em suas formas de funcionar. 

Mesmo que a maioria afirme ter adotado algum tipo de estratégia digital, a aposta pelo online não é vista como uma das suas principais prioridades. 

O Capterra pediu para os entrevistados indicarem o grau de importância de diversas questões ligadas à gestão de diferentes áreas dos negócios, do financeiro, passando por recursos humanos, entre outras. Entre nove opções apresentadas, a mudança para o digital é vista como a menos importante no curto prazo (veja gráfico abaixo).  

Os dados preocupam, já que a chamada nova normalidade exigirá que muitos empresários repensem sua presença online. Na próxima seção, veremos algumas das principais vantagens de uma aposta consciente pelo digital, uma realidade que deve ser potencializada pelas novas condições sanitárias e de mobilidade impostas pelo coronavírus.

pequenas empresas na crise principais preocupações gerentes

Como mostra o gráfico, questões como a preservação de postos de trabalho também não aparecem entre as cinco questões mais importantes para os entrevistados. 

Ainda que muitas vezes as crises obriguem os empresários a cortar para se manterem vivos, vale lembrar que a retenção de talentos pode representar uma economia no futuro. Por mais duras que sejam, as crises são passageiras, e ter de gastar em contratações e treinamentos assim que a economia volte ao normal pode sair mais caro.   

As vantagens de migrar para o digital 

Abaixo mostraremos os principais benefícios de gerar receita online para o seu negócio em comparação com lojas físicas ou serviços oferecidos pessoalmente e dicas de como fazê-lo. As informações foram adaptadas de um estudo da consultoria Gartner (material completo disponível para assinantes): 

Caso você pense em montar um e-commerce, ou queira melhorar o que já tem, não deixe de ler os conteúdos que preparamos sobre como estruturar cada setor da operação online e de como vender pelo Instagram. Se você tem um restaurante, confira um passo a passo de como montar uma operação de delivery.

É mais barato

Gerar receita digital custa menos.

Uma vez que você tenha uma boa infraestrutura digital, é muito mais fácil  escalar sua operação. 

Por exemplo, um médico que passa a atender mais pacientes usando a telemedicina terá muito pouco custo adicional, uma vez que a tecnologia de monitoramento digital já está implantada e sendo utilizada.

Requer menos investimento

Com um negócio digital, seus gastos com aluguel de salas ou espaço para armazenamento diminuem. 

Se você quiser montar um curso de ensino à distância, por exemplo, não precisa se preocupar em pagar por um espaço físico ou outros tipos de materiais.

Gestão de estoque

É comum ver PMEs que optam por vender na internet com um grande problema: a limitação do espaço de estoque. A dica é escolher um modelo de reposição que se adeque ao seu espaço. Considere implantar a reposição contínua, em que se aumenta a frequência da aquisição de mercadorias e, ao mesmo tempo, se reduz a sua estocagem.

Usar tecnologia também é essencial para ter uma boa gestão de estoque. Softwares de gestão de estoque ajudam a monitorar a quantidade de produtos e mantêm o inventário atualizado constantemente e em tempo real.

Permite a adoção de um modelo de assinaturas

Com uma loja virtual, é fácil trabalhar com modelos de venda por assinatura ou de vendas recorrentes.

Por exemplo, se você dá cursos de yoga, é possível incentivar assinaturas mensais ilimitadas que garantam uma renda estável e previsível para o seu estúdio. Se você vende produtos de consumo diário, como café, pode incentivar empresas ou indivíduos a fazerem assinaturas através de sua plataforma de e-commerce, o que facilita tanto a sua vida como a do cliente, automatizando parte da experiência de compra.

Como a tecnologia pode ajudar a montar um modelo de assinatura?

Softwares de gerenciamento de assinaturas podem ajudá-lo a definir níveis de preços, descontos e pacotes para os clientes para facilitar o recebimento de seu produto ou serviço. Esse tipo de software também pode enviar lembretes de pagamento, configurar pagamentos automáticos e gerar faturas para seus clientes.

Permite chegar a mais lugares

Um boa operação digital abre possibilidades para o seu negócio que não se limitam ao local em que você ou sua empresa estão.

Uma escola de música pode oferecer seus cursos para quem estiver interessado nos estilos ou nos instrumentos de sua especialidade em qualquer parte do globo, basta um bom software de videoconferência.

loja física vs operação digital

Invista na sua presença digital

Como destaca Edney Souza, diretor acadêmico na Digital House Brasil e um dos maiores especialistas em internet do país, a hora é agora: “as PMEs precisam aceitar que esse é o novo normal e disponibilizar seus produtos e serviços online.” 

As mudanças exigirão um esforço inicial, mas apostar por gerar receita digital ajudará a sua empresa a estar em uma melhor posição para possíveis novas crises e criar as condições para que você possa escalar seu negócio com novos produtos, serviços e clientes.

Busca softwares de gestão de estoque? Confira nosso catálogo!

Metodologia 

Para esta pesquisa, foram ouvidos 409 trabalhadores de empresas com até 250 trabalhadores que, devido à crise da COVID-19, adotaram o trabalho remoto (83%), optaram por não aderir à prática (7%) ou que estão impedidas de fazê-lo, mas que adaptaram seus serviços, como restaurantes que aderiram ao delivery, por exemplo (10%). Do total de entrevistados, 337 ocupavam cargos de gerência e com poder de decisão nas empresas em que atuam e 72 eram trabalhadores de nível júnior e intermediário, com restritos poder de decisão. Empresas nas quais o trabalho remoto não é possível não foram consideradas para o levantamento. As entrevistas foram realizadas de maneira online entre os dias 19 e 21 de maio. 

Esse artigo pode se referir a produtos, programas ou serviços ainda não disponíveis em seu país, ou pode ter restrições legais ou regulatórias. Sugerimos que você consulte o provedor de software diretamente para informações sobre disponibilidade do produto ou conformidade com as leis locais.