Preocupado com a COVID-19? Visite nossa página de recursos para saber como ajudar sua equipe a permanecer produtiva enquanto trabalha remotamente.

ERP para pequenas empresas: 44% usam sistemas de gestão empresarial

Publicado em 30/09/2019 por Lucca Rossi

ERP para pequenas empresas

O aumento de opções de sistemas ERP para pequenas empresas no mercado brasileiro parece estar animando as PMEs (pequenas e médias empresas) do país a deixarem de lado as planilhas de Excel e apostarem por um programa do tipo na hora de gerir vendas, pagamentos e a contabilidade dos negócios.

É o que aponta pesquisa realizada pelo Capterra entre os dias 26 de agosto e 20 de setembro que ouviu 380 trabalhadores de empresas de 23 setores com entre 1 e 250 funcionários de todo o país. 

Do total de ouvidos, 44% afirmam utilizar um sistema de gestão empresarial para o controle financeiro do negócio –33% dizem ainda usar planilhas, 15%, softwares da própria empresa e apenas 7%, papel e caneta.

Vale lembrar que um ERP, sigla em inglês para Enterprise Resource Planning (ou sistema de gestão empresarial), é um grande aliado para a organização das empresas. Com um software do tipo, as companhias podem ganhar eficiência e poupar tempo e recursos reunindo toda as informações em um só lugar, da contabilidade, passando pelo financeiro, gestão de pessoas, estoque, vendas e pagamentos.

ERP para pequenas empresas: destaques do estudo

  • O tamanho é decisivo: PMEs de maior porte alcançam 73% de adoção, enquanto MEIs (microempreendedores individuais) e microempresas não chegam a 30%
  • 45% das empresas planejam adotar um novo sistema –destas, 69% afirma querer gastar entre R$ 30 e R$ 70 por usuário por mês
  • PMEs da área de internet e informática são as que mais adotam ERPs, seguidas por empresas de seguros

Micros x médias

De acordo com a pesquisa, o nível de adoção de ERPs é maior entre as PMEs de maior porte (com entre 101 a 250). Do total de entrevistados que trabalham em empresas deste tamanho, 73%  afirmam utilizar sistemas de gestão empresariais. Entre os MEIs ou que trabalham em empresas de até 5 funcionários, apenas 29% afirmam adotar um software do tipo. 

Os números mostram ainda que o nível de adoção de sistemas ERP no Brasil entre PMEs está ligado ao número de funcionários: quanto menor a empresa, menor o uso. O dado não surpreende, levando em conta que empresas com mais trabalhadores contam com uma maior capacidade de investimento e podem optar por planos de softwares com descontos para um maior número de usuários. 

ERP tamanho empresa

O fato de quase um terço das micros utilizarem esse tipo de sistema, porém, ilustra a diversificação vivida nos últimos anos no mercado de ERP no Brasil.

Hoje, soluções na nuvem desenvolvidas no país atendem esse público, com preços mais acessíveis em comparação com as solução que precisam ser instaladas na empresa (on-premise), como:

Além dos preços acessíveis, as opções na nuvem trazem o benefício de uma implementação mais ágil, boas opções de mobilidade e serviços integrados de segurança de dados.

Vale lembrar que os ERP instalados nos servidores das empresas implicam custos mais altos tanto com a própria instalação como com a manutenção. Por outro lado, oferecem mais opções de personalização e uma estrutura mais robusta para negócios com planos rápidos de expansão. A escolha depende, portanto, de quais são os objetivos da empresa.   

Investimentos em ERP

O estudo conduzido pelo Capterra também reflete a movimentação vivida pelo mercado de ERP no Brasil: entre os que já utilizam a ferramenta, 45% afirma querer investir em um novo sistema. Destes, 69% dizem querer gastar entre R$ 30 e R$ 70 por usuário ao mês. 

Os dados mostram o preço como uma preocupação entre as MEIs e microempresas que querem investir na área: estes tipos de negócio representam 57% do total dos que buscam soluções de até R$ 30 por usuário ao mês. As opções gratuitas, no entanto, estão fora do radar de praticamente todas as empresas, independentemente do tamanho: somente 7% do total de ouvidos diz estar buscando um software grátis. 

ERP preço

A questão dos recursos disponíveis na plataforma pode ajudar a explicar a resistência às versões gratuitas. Tais opções limitam o número de usuários que podem acessar a ferramenta e restringem o uso de determinadas funcionalidades, como notas fiscais que podem ser emitidas, por exemplo. A última é justamente a função mais utilizada entre todos negócios ouvidos, seguida da gestão financeira e de estoque. 

As restrições, portanto, motivam o empresariado a buscar soluções que atendam todas suas necessidades básicas, dica muito importante aos negócios que ainda estudam implementar um ERP. Trata-se, afinal, de não tentar economizar de um lado para depois perder do outro. 

ERP brasileiro é preferido 

ERPs adaptados à legislação brasileira são os preferidos entre as empresas escutadas. 

Segundo a pesquisa, 64% das PMEs estão dispostas a pagar mais por uma solução do tipo. Aqui, novamente, fica clara a maior importância dada pelos negócios à relação entre qualidade e preço na hora do investimento. Afinal, adquirir um software mais barato que não emite notas fiscais, por exemplo, obrigará o empresário a fazer integrações, que podem custar dinheiro.

ERP origem

A língua é outro fator decisivo para as PMEs no momento de investir em um novo ERP: 64% dos ouvidos consideram importante ou muito importante que o software esteja disponível em português.

Tais dados vão na mesma direção dos números do mais recente levantamento anual do uso de TI nas companhias brasileiras feito Fundação Getúlio Vargas (FGV). Segundo a pesquisa, 72% das empresas com até 170 estações de trabalho utilizam softwares nacionais ou que possuem versões em português: 

Desafios

Além de perguntar sobre os usos do ERP, o Capterra também buscou saber quais eram os maiores desafios de gestão enfrentados pelas empresas ouvidas.  

Questões ligadas ao gerenciamento financeiro estavam entre as mais citadas pelos entrevistados, seguidas por problemas ligados à relação com os clientes.

Dos que afirmam que entre os maiores desafios que enfrentam no seu negócio estão questões ligadas à gestão das áreas financeira, de estoque, de vendas, relatórios e com emissão de notas, metade já usa um sistema de ERP.

Isso mostra a importância de pesquisar e buscar o máximo de informações a respeito dos softwares antes de implementá-los.

Integrações  

Ao mesmo tempo, as reclamações dos entrevistados com respeito aos clientes também mostram a importância da integração dos sistemas ERP com softwares CRM, que são os que podem ajudar os negócios no contato com o consumidor.

Os chamados softwares de gestão de relacionamento com o cliente trabalham como um banco de dados online com os detalhes dos clientes, informações sobre vendas e de marketing. Como um ERP, um CRM ajuda as empresas a mater toda a informação em um único lugar, controlar as atividades dos vendedores e gerar relatórios.

Alguns softwares de gestão possuem módulos de CRM e outros oferecem a possibilidade de integrar o ERP a um CRM externo. 

O importante é ter uma visão ampla do funcionamento do negócio, dos processos internos à gestão do relacionamento e das vendas, o que ajudará as PMEs a garantir mais eficiência e melhorar os ganhos.

gráfico ERP para pequenas empresas


Metodologia da pesquisa

Para para reunir os dados presentes neste texto, o Capterra realizou uma pesquisa online entre os dias 26 de agosto a 20 de setembro em que ouviu  profissionais que trabalham para MEIs, micro, pequenas e médias empresas (de 1 a 250 trabalhadores) de todo o país. O questionário foi enviado para 1.078 pessoas, das quais 380 foram selecionadas por perguntas eliminatórias. Os resultados são representativos da pesquisa, mas não necessariamente da população como um todo.

Quer conferir mais opções de softwares ERP? Veja a lista completa de soluções de gestão empresarial do Capterra.

Esse artigo pode se referir a produtos, programas ou serviços ainda não disponíveis em seu país, ou pode ter restrições legais ou regulatórias. Sugerimos que você consulte o provedor de software diretamente para informações sobre disponibilidade do produto ou conformidade com as leis locais.