O que é data driven? Saiba como tornar sua empresa orientada a dados

Publicado em 31/03/2021 por Marcela Gava

Se você ainda não sabe o que é data driven ou tem dúvidas sobre quais setores da sua empresa podem ser impactados pela prática, reunimos informações para guiar você nesta jornada.   

Saiba o que é data-driven

Data driven é um conceito bastante amplo que, em tradução literal, significa orientado por dados. No mundo corporativo, refere-se à tomada de decisões baseada em informações concretas e seguras, que podem ser estruturadas com o uso de ferramentas de análise de dados e softwares de visualização de dados

Marketing, comercial, RH, TI, acionistas e até o setor financeiro da sua empresa podem se beneficiar do data driven para alcançar melhores resultados.

Não é a toa que os dados se tornaram o ouro da era digital. Eles trazem insights que, se tratados de forma correta, viram conhecimento. Dessa forma, pode-se dizer que os dados são os fatos concretos capazes de fazer o seu negócio crescer e prosperar.

Um dos principais cases de sucesso no uso de dados é a “Descobertas da semana”, a playlist personalizada que o Spotify envia semanalmente para cada usuário com base nas preferências de uso do aplicativo. 

Com dados sobre o que cada um mais escuta, o serviço de streaming consegue fazer recomendações personalizadas de músicas e artistas, o que impulsiona novas bandas e aumenta o engajamento de usuários com a plataforma. A playlist de recomendação se transformou em um dos principais produtos do Spotify, tanto é que já acumulou mais de 2,3 bilhões de horas de transmissão. 

Empresas como Google e Facebook tornaram-se as gigantes que são hoje graças aos dados de seus usuários. O uso controverso que as redes sociais fazem desses dados é tratado em profundidade no documentário “O Dilema das Redes”.

Entretanto, armazenar e tratar dados não necessariamente está envolvido em polêmica. Claro, isso se você tratá-los com ética, respeitando sempre as diretrizes da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) sobre o uso e compartilhamento de informações pessoais. 

Os benefícios de uma cultura data driven

É importante ressaltar que o data driven não está limitado às grandes corporações nem tampouco se resume apenas ao uso de informações de usuários. As pequenas e médias empresas (PMEs) não só podem como devem aplicar a cultura de tomada de decisões baseada em dados, que podem provir de estudos estatísticos, pesquisas e análises de mercado, além de informações das interações dos clientes na internet.

A lista de benefícios da implantação de uma cultura data driven é extensa, começando pela própria tomada de decisão bem fundamentada. Ela põe fim às decisões baseadas em “achismo”, oferecendo uma vantagem competitiva imediata ao seu negócio ao conferir maior precisão e segurança às ações adotadas pela empresa.

Essa maior correção na tomada de decisões traz um efeito direto nos custos operacionais e de gestão. A estimação do Retorno Sobre Investimento (cuja sigla é ROI) também torna-se mais precisa quando é feita com base em dados concretos e não em suposições.

Faturamentos e gastos, tanto internos como externos, são antecipados com maior exatidão, conferindo a você e aos demais tomadores de decisão da empresa mais força e transparência ao decidir os próximos passos. 

Na verdade, a análise data driven torna mais consistente qualquer processo no qual é inserida.

Pense no marketing, por exemplo. Uma campanha de publicidade criada a partir de dados reais do mercado, que podem ser reunidos com auxílio de ferramentas de análise de marketing, juntamente com informações do comportamento de compra dos clientes, aumenta significativamente a assertividade na hora de definir o público-alvo e os canais mais adequados para anunciar cada produto ou serviço. 

Passo a passo para se tornar uma empresa orientada a dados

O custo de tornar uma empresa data driven é mais temporal do que financeiro – o que é uma boa notícia para PMEs. Há diversas ferramentas de análises de dados, de gestão de desempenho empresarial e de visualização de dados disponíveis no mercado e, certamente, alguma delas encaixa com o seu orçamento e as necessidades do seu negócio. 

O esforço maior está em fazer do uso de dados para tomadas de decisão um hábito normalizado e aceito dentro do ambiente organizacional.

Para isso, listamos cinco passos para você desenvolver a cultura de orientação a dados na sua empresa: 

  • Definição de dados. Para começar, deve-se fazer uma lista contendo todos os tipos de dados necessários para as tomadas de decisão da empresa, excluir as duplicidades e, então, determinar a fonte para obtenção de cada um deles.
  • Alinhamento entre áreas. É necessário desenvolver um alinhamento global da orientação a dados dentro da empresa, uma vez que as tomadas de decisão não devem ser realizadas de maneira independente por cada área ou setor. Estratégias combinadas e apoiadas entre diferentes equipes costumam apresentar melhores resultados.
  • Atribuição de responsabilidades. Todo e qualquer projeto precisa de um profissional ou uma equipe responsável por centralizar e coordenar as ações, e a orientação data driven não foge à regra. Neste caso, deve-se nomear um responsável-geral pelos dados, que fará a coleta e distribuição para as equipes correspondentes.
  • Treinamento dos funcionários. É a base de uma empresa data driven. É imprescindível incutir a cultura de orientação a dados em toda a empresa, de preferência, de cima para baixo, com a equipe executiva dando o exemplo. O treinamento deve ser constante com o objetivo de manter os funcionários sempre alinhados e atualizados com o conceito de decisões baseadas em dados, além de tratar de questões relacionadas à cibersegurança.

Tão importante quanto as ferramentas usadas para tratar os dados é a integração humana em todo o processo. Portanto, dedicação e persistência são a chave para a implantação de uma cultura data driven com sucesso.

O impacto da análise de dados em diferentes áreas

Esse processo de tomada de decisões orientadas a dados é chamado de cultura porque é permanente e deve envolver o máximo de áreas possíveis da empresa. Todas as áreas podem se beneficiar do data driven. Vejamos alguns exemplos do impacto positivo que determinados setores da sua empresa podem sofrer com o uso de dados nas tomadas de decisão: 

RH e o recrutamento inteligente

O departamento de recursos humanos pode usar os dados disponíveis para avaliar os candidatos e selecionar aqueles mais adequados para cada vaga por meio da combinação de sistemas de gestão de talentos com as bases de dados da empresa.

SAC mais rápido e eficiente

A gestão data driven permite até mesmo antecipar os principais problemas reportados pelos clientes, permitindo uma solução mais rápida, personalizada e eficiente. Os sistemas de atendimento ao cliente mais modernos incluem a gestão da base de conhecimento para auxiliar a equipe nesse processo. 

Venda no lugar certo na hora certa

O conhecimento obtido por meio da análise de dados permite saber o momento e o canal mais adequados para ofertar seu produto a cada perfil de cliente. Por meio do rastreamento de interações e segmentações, os sistemas CRM trazem a informação que você precisa para aumentar suas vendas.

Marketing otimizado nas redes sociais

Cada rede social tem não somente um formato específico de conteúdo, como também um perfil de usuário e uma dinâmica diferentes. Ferramentas de análise e de monitoramento de redes sociais permitem otimizar sua presença nesses canais de forma a alcançar um público-alvo ao mesmo tempo maior e mais enfocado. 

Vá em frente com o data driven

Os benefícios da orientação a dados para a sua empresa estão por todos os lados. Uma empresa data driven é sinônimo de melhores tomadas de decisão e, consequentemente, de possíveis melhores resultados. 

Busca ferramentas de análise de dados? Confira nosso catálogo!

Esse artigo pode se referir a produtos, programas ou serviços ainda não disponíveis em seu país, ou pode ter restrições legais ou regulatórias. Sugerimos que você consulte o provedor de software diretamente para informações sobre disponibilidade do produto ou conformidade com as leis locais.

Sobre o(a) autor(a)

Analista de conteúdo do Capterra, cobre as tendências de tecnologia e inovação. Jornalista com mestrado em comunicação pela UAB, de Barcelona. Gosta de criar playlists aleatórias.

Analista de conteúdo do Capterra, cobre as tendências de tecnologia e inovação. Jornalista com mestrado em comunicação pela UAB, de Barcelona. Gosta de criar playlists aleatórias.